segunda-feira, 26 de maio de 2014

1689 - Soneto do pós-Juízo Final

Tudo lindo, tudo maravilhoso, mas é só isso?

Agora com todos os filhos da puta
No inferno, tomando pau do capeta
Uma suposta justiça dada completa
Onde é punida qualquer má conduta

Enquanto a galera do bem desfruta
As benesses do paraíso com a meta
De vida atingida, essa turma enceta
A existência em atmosfera impoluta,

Um no paraíso olha anjo, harpa, lira,
Calmaria absoluta. E reflete e respira...
Um deles pensando em ser o eterno

Assim o tédio, dá um sorriso amarelo,
E reconhece como foi bom esse zelo
Com o bem e vai ver como é o inferno.

Francisco Libânio,
17/05/14, 2:41 PM
Postar um comentário