quinta-feira, 22 de maio de 2014

1679 - Soneto apreciativo

Perfeita.

Mas se amo as mulheres, assim,
Mais fartas qual quem o delgado
Ama ou na loirice vê seu agrado,
Que mal esse gosto trará a mim?

Vejo as dobras, conto-as, enfim.
Por elas sou envolvido, abraçado,
Deito-me, ponho-as ao meu lado
E tiro desse corpo farto o butim

Que quem me critica não entende,
Não conhece e menos se pende
A querer um ou outro. Uma pena.

A fartura criticada, eu a aprecio,
Endeuso, venero e, se tiver cio,
Um lance recíproco se engrena.

Francisco Libânio,
13/05/14, 9:33 AM
Postar um comentário