quarta-feira, 21 de maio de 2014

1677 - Soneto autocrítico

Se minhas musas não são convencionais, por que meus sonetos deveriam ser?

Certo, da métrica e do martelo
Faço pouco, ignoro no soneto.
Não por ódio dou-lhes o veto,
Mas por não dedicar desvelo

Bastante. Findo o soneto, lê-lo,
Penso nas rimas que nele meto
E analiso as linhas e aí decreto
Metrificado. Meu jeito paralelo

De sonetear, provável, ofende
Aos cânones, a quem entende
Do riscado e faço já a escusa.

Mas o poeta não deixa de ser
Poeta, apesar do vário mister
Como é vária sua farta musa.

Francisco Libânio,
12/05/14, 11:28 AM
Postar um comentário