sexta-feira, 9 de maio de 2014

1655 - Soneto absolvido

Minha gente não sorriu disso.

Nossa Justiça em seu maior
Órgão deu ao ex-presidente
Absolvição. Zombou da gente,
De quem foi à rua pra depor

O larápio. Eis nosso Superior
Tribunal que julga prontamente
Sem provas o que é dissidente,
Quem ergueu a vida no labor

E por ser gente da atual situação
Condena querendo dar a lição,
Mas safado contra quem existe

Prova e foi historicamente apeado,
Esse é absolvido e desculpado.
Fica feliz, já minha gente fica triste.

Francisco Libânio,
25/04/14, 12:40 PM
Postar um comentário