terça-feira, 6 de maio de 2014

1649 - Soneto paralelepipedal

Depois de anos e anos pisados, dois Chicos os poetizam.

Precisa ser Chico, mas ser Buarque,
Pra por paralelepípedo em poesia.
Já eu ponho o termo sem primazia,
Pois não deixo que a música arque

Mais prejuízo. Que o verso marque
A palavra sem canção. É covardia
Além de escrever pedir a maestria
Da musicalidade. Que se embarque

No soneto como imigrante irregular,
Você o vê, mas nada ali faz pensar
Que ele tenha que ser protagonista.

Como o xará, pus o dito no soneto,
Ele, na música. Nada mais prometo.
O paralelepípedo se repetiu na vista.

Francisco Libânio,
23/04/14, 2:11 PM
Postar um comentário