sábado, 24 de maio de 2014

1685 - soneto destesionado

Pelo menos ocupa a mão, no caso dele. Mas como sou canhoto...

Escrever, um exercício ingrato,
A poesia custa a vir ao papel
E o poeta o usa por coquetel
Para combater o mau destrato

Que é a solidão e o mau fato
Que é o tesão, muito mais fel
Para ele que a doçura do mel,
Pois que se corte esse barato,

Em vez de pensar nos peitos
Nus soneteia-se e os efeitos
Do tesão acabam amainados,

Mas não cessam, é o que quer?
Não. Talvez o soneto dê prazer
E o gozo aqui tão aprisionados.

Francisco Libânio,
15/05/14, 9:36 AM
Postar um comentário