quinta-feira, 22 de maio de 2014

1682 - Soneto para uma morena fogosa

Lindas, sempre.

Os cabelos negros e a pele branca,
Moça que os rios Negro e Solimões
Exemplifica com cores e gradações
Se topando em beleza mais franca.

E ainda com tão maravilhosa anca,
Fazia disso uma entre as seduções,
Porque ainda sabia fazer situações
E usava o seu charme como banca

Para tirar o que entendesse, e tirava.
Sem ser a negra que o gosto crava,
Mas sendo farta, ela tinha esse quê

De ser sensual e ir além do sensual.
Me deitou e me beijou, agora o mal
Da luxúria virá, mas só pra quem crê.

Francisco Libânio,
14/05/14, 9:22 AM
Postar um comentário