segunda-feira, 5 de maio de 2014

1647 - Soneto esdrúxulo

Nunca subestime o ser humano, pois os filhos da puta são imprevisíveis.

Já que tem pai matando filho,
Madrasta ajudando e amiga
Ganhando pra isso, não diga
Nem duvide nunca do brilho

Da mente humana. Um estilho
Sobrará para que se consiga
Surpreender e tombar a viga
De fé no homem, no gatilho,

Estará lá pronto. Nesse poço
O fundo acha sempre o fosso
Para ficar um pouco mais fundo.

Um médico que salvaria vida
Aniquila uma por ele nascida...
E ainda não é o fim do mundo!

Francisco Libânio,
23/04/14, 9:09 AM
Postar um comentário