domingo, 11 de maio de 2014

1659 - Soneto leve, pero no mucho

Preparando para uma boa metalinguagem, se é que você me entende...

Sem falar dos problemas mundiais,
Humanos, filosóficos ou problemas
Seus, o poeta abdicou dos temas
E deixou ao Homem os existenciais

Conflitos, pôs, por instante, as mais
Complexas indagações, os dilemas,
As cabecices com coisas supremas
E quis um soneto dos mais frugais.

E agora sobrava a beleza da mulher,
O tesão refreado a fim de espairecer
Ou a chatice que é a metalinguagem.

Soneto a falar de si mesmo. Arrogante!
Metalinguagem, só o terrível desplante
De ser interpretada como sacanagem.

Francisco Libânio,
28/04/14, 5:50 PM
Postar um comentário