quinta-feira, 20 de setembro de 2012

0464 - Soneto do casal canceriano

Signo de água. Tímidos e sensíveis.


Ela, de criança, sonhava com um lar,
Marido, filhos, a vidinha doméstica,
Ele, tímido de vida quase hermética,
Pouca socialização, amigos a contar

Numa mão e por eles pronto a dar
O que fosse. Uma atração poética
Uniu os dois de forma tão cinética
Que nada parecia poder os separar

Ela teve seu lar, sua prole, marido,
Ele teve nela todo o amor remido
E uma pessoa a mais na coleção

Parca de queridos. E, precavida,
Ela o desviava de toda investida
Feminina. Dizia ser só precaução.

Francisco Libânio,
20/09/12, 12:23 PM
Postar um comentário