terça-feira, 25 de dezembro de 2012

689 - Soneto do manjar natalino

Deliciosa e queimadinha..

Vejo-a lá, descansando dourada...
Como a morena que sai do mar,
Ela sai do banho para repousar,
É mais uma deliciosa rabanada.

Piro quando a vejo ali deitada,
Em paz deixando a brisa levar
O óleo do banho. Tenho lugar
Perfeito pra ela, linda e tostada:

Minha boca... Tudo que quer é ela,
Saboreá-la, senti-la, comê-la
Para que meu desejo debele.

E penso: Se existe um Deus
E algo a supere entre os seus,
Ele guardou, egoísta, pra ele.

Francisco Libânio,
25/12/12, 3:38 PM
Postar um comentário