quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

678 - Soneto prazenteiro

Espetacular! Maravilhoso!

Ela me disse que seria inesquecível,
Que nós iríamos fazer o chão tremer.
Quando ela se despiu e fez aparecer
Parte do seu busto, achei isso crível.

Sua boca partiu para a tática infalível
Do oral! Disse que gostava de bater,
Que eu nunca conheceria um prazer
Maior, melhor, mais intenso e tangível.

A noite foi absoluta. Devo à parceira
O gozo dessa aventura passageira
Porque ela não quer levar isso adiante

Na verdade, eu também não queria.
Esse prazer não salvaria a monotonia
Do cotidiano. Uma vez é o bastante.

Francisco Libânio,
19/12/12, 8:14 PM
Postar um comentário