sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

681 - Soneto que não namora

Pelo menos no soneto, eu tô assim.

Namorada? Não tenho, e, por isso,
Meu soneto deixou o romantismo
De lado. No começo, num abismo,
Ele ficou triste e depois irritadiço;

Aí ficou deprimido ficando nisso
Por tempo remoendo o casuísmo
Da solidão negando o hedonismo
Esperando o futuro compromisso

Que salvaria a razão de existência,
O namoro não veio! Foi à falência
A esperança. O instinto descamba

E a inspiração, promíscua, apronta!
Arruma musas que faz perder conta
E assim, ela se diverte pra caramba!

Francisco Libânio,
21/12/12, 1:06 PM
Postar um comentário