segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

675 - Soneto em noite chuvosa

Vem cá, minha gostosa!

Às vezes, não fazer nada é fazer demais
Como, às vezes, fazer tudo é fazer nada,
O sujeito se estupora atrás de namorada
E segue em noites solitárias e invernais

Entendo o que é isso. Já passei demais
Por isso. Hoje deixo essa ideia desligada.
Acontecer, maravilha! Não, deixa a toada...
Não ando com o clima bonito dos casais

Prefiro a solidão acompanhada a ser par
Por obrigação, por imposição elementar
Da sociedade que mais e mais se separa,

As noites a sonetos, leitura e introspecção
Podiam ser melhores, ter certa devassidão
Mas isso só não satisfaz, apenas mascara.

Francisco Libânio,
17/12/12, 8:54 PM
Postar um comentário