sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

680 - Soneto do fim do mundo

Ah, não! Agora vai esperar!

Escrevo antes que o mundo acabe,
Antes que caia uma bola de fogo
Então é melhor eu que escreva logo
O último verso que ainda me cabe

E deixar que mundo todo desabe.
Com meu último escrito homologo
O poeta que fui e também revogo
Meu dom, mas ainda nem se sabe

Se o mundo acabará. Será que vai?
Tanto dizem, mas esse fim não sai
E se fosse acabar, um pouco já era!

Quer saber? Que o mundo se dane!
Esse fim parece ser mais outra pane
Se não acabou, senta e me espera.

Francisco Libânio,
21/12/12, 12:10 PM
Postar um comentário