terça-feira, 31 de março de 2015

1830 - Soneto de amor adiposo

Pensei uma história de amor
Rápida, conhece-se e casa.
Sem rodeios e sem dar asa
A dores ou ao tipo sofredor.

Uma gordinha, charme-mor
Namora um sem mente rasa,
Gosta dele e o par extravasa
Em fluidos. Ele, galanteador,

Pede-a em casamento e sim.
Ela o aceita e tudo fica assim.
Casal casou e o soneto deu.

Só lamento que essa história
A celebrar do amor tal vitória
Não tenha por personagem eu.

Francisco Libânio,
05/03/15, 12:10 PM
Postar um comentário