quinta-feira, 5 de março de 2015

1801 - Soneto do que parece, mas não é

Que moça perfeita! Mas, cuidado!
Que essa moça pode ter um quê
Que surpreenda, algo tipo dégradé
Passando batido a um desavisado.

Essas moças têm, parece, agrado
Em mostrar aquilo que não se vê
Na hora exata em que virá o fuzuê
Na cama e curtem nosso enfado.

Escuta, você tem disso a certeza?
Acha que pode provocar surpresa
Quando lá os dois nus na hora agá?

Parece. Pois, aqui, deixe que pareça.
Se for e caso a surpresa me apareça,
O resto do conjunto essa noite valerá.

Francisco Libânio,
28/12/14, 3:35 PM
Postar um comentário