segunda-feira, 20 de abril de 2015

1849 - Soneto erodido

Esses vazios entre os sonetos
Não são só falta de inspiração,
Mas talvez depure a produção
E não faço deles os panfletos

Vazios que faço sem os vetos
Devidos só para fazer coleção.
Qual este soneto sem situação,
Sem ideia boa, sem desafetos,

Sem putaria, sem mulher, nada!
Este soneto, mais terra arrasada
Que podia até mesmo nem existir,

Mas tão sem nada e sem motivo
É que ele, apenas para pôr vivo
O poeta, surge como já vai partir.

Francisco Libânio,

15/04/15, 5:50 PM
Postar um comentário