sexta-feira, 17 de abril de 2015

1840 - Soneto empauzado

Mas que diabo um pau de borracha,
Preto, grosso e baita de um consolo
Faria pra o amigo? O momento solo
De prazer íntimo lá na traseira racha?

Não sei. Não penso em como se acha
Uso para aquele troço. Eu não violo
Intimidade nem julgo se é bom o dolo
De quem usa o negócio. Despacha

O presente e que tal pau qual amigo
Fiquem pra lá. Isso eu não investigo,
O pau sumiu e o amigo deu por findo

O assunto. Dou-o por findo também.
Mas baixo a guarda e então que vem
A cena triste do amigo se divertindo.

Francisco Libânio,
17/03/15, 7:20 PM
Postar um comentário