sábado, 28 de fevereiro de 2015

1797 - Soneto enrabanado

Festas de Natal originalmente tem
Peru, nozes e o que tem no Norte.
Só não tem neve. Tome o recorte
Importado de lado e vá dele além.

O que sobra? Algo que ilustra bem
O Natal a nosso chão e nossa sorte,
A rabanada, iguaria que se exporte
E mostre ao Norte que aqui também

Tem acepipes de nossa característica
Que trazem à festa a local casuística
E que nada devem ao que é de fora.

O poeta, um bom apreciador do pão,
Do ovo e de doçuras, nega seu não
À rabanada e com elas se estupora.

Francisco Libânio,
26/12/14, 11:45 AM
Postar um comentário