sexta-feira, 13 de fevereiro de 2015

1783 - Soneto do copo sujo

Bebo meu leite e, engordurado,
O copo sujo, pela falha minha,
Fica sujo, só na pia da cozinha,
Pede de mim atenção, cuidado.

Cuidado que não dou. Relaxado,
Deixo o copo e tomo uma linha
Outra. Admito, atitude mesquinha,
Nada exemplar e de mau grado.

E saio eu, suado e sem banho,
Tento cortes e não tenho ganho
Algum. É quando vem o estalo!

Sem ter higiene nenhuma mulher
Chegará. Banho é o que se fazer.
Tomo um e ao copo, vou lavá-lo.

Francisco Libânio,
10/12/14, 1:21 PM
Postar um comentário