sábado, 28 de fevereiro de 2015

1796 - Soneto reempanturrado

Passa o Natal, vão-se as festas,
Acaba o caldo, a ceia e o pasto
A pôr mais, que obeso, nefasto
O gordo que viu tantas frestas

Para comer como as desonestas
Desculpas. Comeu o tanto vasto
E após as ceias fez mais repasto
No dia seguinte com as modestas

Sobras de ontem. E não satisfeito,
Se rolar, já deixa de antemão feito
Um lanchinho básico para, se vier,

Uma fome temporã. Espaço? Aperta
Que dá. Assim a única coisa certa
É um hugo forte em hora qualquer.

Francisco Libânio,
26/12/14, 9:48 AM
Postar um comentário