sexta-feira, 13 de fevereiro de 2015

1782 - Soneto para o livro

Conhecimento, é o que deveria trazer.
Conteúdo, é o que deveria estar nele.
A capa ainda que alguma coisa revele,
Deixa pouco, muito pouco a se saber.

E se livros e homens põem-se a fazer
Um país, como Lobato nos diz e ele
De livros entende, que nunca se nivele
O Lobato, cara de peso, com o lazer

Barato da escrita vazia, mas que seja,
O livro, um lazer, mas que se proteja
Sempre a boa contra a má literatura.

Julgamento? Que cada um faça o seu.
Já o livro terá comigo eterno apogeu
Como farei viva sua ímpar formosura.

Francisco Libânio,
05/11/14, 11:33 AM
Postar um comentário