quinta-feira, 5 de fevereiro de 2015

1775 - Soneto para o lápis

O lápis dizia portar uma riqueza
O grafite que, primo do diamante,
Deveria valer mais ou o bastante,
Mas não valia. Faltava-lhe dureza,

Faltava-lhe valia sobrava aspereza.
A ponta do lápis que num instante
Escrevia e desenhava tão brilhante
No conteúdo sofria a má surpresa

Da ponta quebrada. Eis o horror!
Como ele podia defender o valor
De uma riqueza que fácil estraga?

E mais, como poderia valer igual
Ao diamante um tesouro que mal
Escreve algo e a borracha apaga?

Francisco Libânio,
21/08/14, 12:32 PM
Postar um comentário