domingo, 22 de fevereiro de 2015

1791 - Soneto sem negociação

A coisa feita na base da porrada,
Em que a maioria vem e subjuga
A minoria evolui como a tartaruga.
Quem se beneficia com a bocada

Como, bebe sem parar, dá risada
E não vê que aquele que ela suga
Ergue a voz, grita e luta. Sua fuga
É sair pra violência e escancarada

Repressão, seja armada ou moral.
Se parlamentassem na fase inicial,
As duas partes chegariam a termo,

Agora a maioria tem a quantidade,
Mas não tem ideias e sua maldade
Põe essa gente no lugar mais ermo.

Francisco Libânio,
21/12/14, 2: 00 PM
Postar um comentário