segunda-feira, 27 de agosto de 2012

0400 - Soneto (que não é) quatrocentão

Petrarca, o mais clássico dos sonetistas

Meu soneto não tem dez
Ou doze sílabas. Só rima,
E está bom. Não há lima
Que o pula. Tem lá o viés

De soneto, logo soneto és,
Digo dando toda estima
Digna de uma obra-prima
Sem enchê-la de rapapés,

E se ainda outros sonetos
Forem clássicos e repletos
Dou, eu, leitura e admiração

Os meus, chame-os modernos,
Vanguarda. Junto aos eternos,
Eles têm a mesma predileção.

Francisco Libânio,
27/09/12, 12:52 AM
Postar um comentário