sexta-feira, 24 de agosto de 2012

0396 - Soneto mentolado


Uma bala estrategicamente posta
E um convite: É sua, vem pegar!
Como vou desobedecer, recusar?
Vacilo... Tá com medo? é a resposta

À indecisão. Sei que você gosta.
Ela provoca. Vou. Lá fico sem ar
Tiro a bala com a língua do lugar,
O sabor forte diz: Estou disposta!

E o gosto de mulher e de menta
Me enche de desejo e esquenta
O forte do sexo mais o frescor

Da bala convida. Vou outra vez
À casa da bala, gosto a acidez
Sem me enjoar daquele sabor.

Francisco Libânio,
24/08/12, 8:53 PM
Postar um comentário