domingo, 5 de agosto de 2012

0365 - Soneto olímpico para Maurren Maggi


Entre ela e a caixa de areia
Há um invencível universo,
Um caminho reto e adverso
Que em quilômetros margeia,

Mas aí vem ela e o permeia
E o que parecia vira o inverso,
Milhar em metros converso,
Aquele universo todo vira meia

Rua, fácil para qualquer um,
Correr e saltar, problema algum,
Mas pra isso precisa ser ela,

Precisa se depurar das falhas,
Precisa ir além das medalhas
E ser inigualavelmente bela.

Francisco Libânio,
05/08/12, 1:37 PM
Postar um comentário