terça-feira, 7 de agosto de 2012

0373 - Soneto para a esgrima


Nenhum esporte lembra mais
Tempos idos com constância
Nem traduz deles a elegância
Ou remete a clássicos arsenais

Que a esgrima. Lá, dois iguais
Vestidos com toda circunstância
Medem-se, tomam-se à distância
E encaixam golpes tidos fatais,

E além disso, olha que elegante!
O juiz fala em francês e adiante!
Pura classe pra quem ouve e vê,

Se é florete, sabre ou espada,
Pouco importa, vale a pensada
Estratégia, a investida e touché.

Francisco Libânio,
07/08/12, 9:34 PM
Postar um comentário