sexta-feira, 31 de maio de 2013

1032 - Soneto da saudade inútil

Não adianta nada.

Claro que o amor é o sentimento
Mais lindo e gostoso que existe.
Só que se ele não ecoa e persiste
Fazendo seu som dado ao vento

Esse amor é mal, vira desalento,
Dói no peito, marca, deixa triste
E esse maldito amor só subsiste
Fazendo da saudade seu alimento.

E se a gente matasse a saudade?
Não matar figurado, de verdade,
Arrancar do peito e jogá-la fora?

Porque só a saudade dá ao amor
Razão de viver, causa de se impor,
Mas não a passagem pra ir embora.

Francisco Libânio,
31/05/13, 11:33 AM
Postar um comentário