terça-feira, 14 de maio de 2013

1008 - Soneto enterrado (parodiando Vinicius)

O que passa nessa cabeça?

Um dia quero estar nos verdes prados
Com a Amada a curtir o sabor da brisa,
Eu e ela nos refastelando em agrados
Até que ela me olha fundo e me analisa.

Ela com olhos de Capitu, dissimulados,
Sorri ao me olhar e demais se interioriza.
Aí penso. Meus beijos foram mal dados?
Minha língua ao corrê-la não foi precisa?

Viro o rosto. Nada quero, mas a Amada
Com minha birrinha muito se entretém:
Foi o melhor prazer que alguém me deu.

E sobre terra o que tem aqui? Tem nada!
Mas de mentira tem. Muita e muito bem
Engendrada tanto que nisso acreditei eu.

Francisco Libânio,
14/05/13, 9:34 AM
Postar um comentário