terça-feira, 8 de janeiro de 2008

Do Amor e o Respeito




Quando morrer o amor em definitivo
Que se alimente das cinzas o respeito
Já que quando restava o amor vivo
Era ele sua causa e seu efeito

E se acaso, o amor estiver em intensivo
Tratamento, seja o respeito ao leito
Amigo, tutor e ao amor nunca esquivo
Ou este morrerá com o laço desfeito

O amor e o respeito, inseparável duo
Que não se completa. Eles se fundem
Sendo este daquele o suporte

E basta um brevíssimo recuo
Para que feneçam. É fato: Ninguém
Ama se não for o respeito mais forte.

Francisco Libânio
11/10/07
9:31 AM
Postar um comentário