quarta-feira, 30 de julho de 2014

1732 - Soneto da namorada mais nova

E o Al Pacino termina sendo cnhecido como papa-anjo ou a moça como oportunista.

A menina que parece filha, sobrinha,
Neta, até, em dizer mais maledicente
Nada disso é. A namorada reluzente,
Tanto ninfeta, dá um ar que não tinha,

Ou dá jovialidade. Claro, a amiguinha
Desperta falas, suspeitas dessa gente
Que estranha, mas ele fica indiferente
À conversa e aprecia em paz a gatinha.

Desconfia, claro, mas ela já o acalma.
No fim, ele se aceita dono dessa palma
Que é sua namorada que, mesmo nova,

Tem acompanhado sua vida sem briga.
Vive à parte do mundo teen e não liga.
Gosta dele e oferece isso como prova.

Francisco Libânio,
06/07/14, 3:36 PM
Postar um comentário