segunda-feira, 14 de julho de 2014

1714 - Soneto da namorada preservada

E decidido assim, assim fica.

Ela decidiu e você endossou. Assim,
O sexo entre vocês só na lua de mel.
A princípio, você pensou em ser infiel,
Mas a observou, o jeito, o manequim,

Concluiu que esse sacrifício vale, sim,
A mulher amada. Aí vai atrás do papel,
Da Igreja, providencia logo esse anel
Para que o desejo chegue logo ao fim.

Só que pressa ela não tem. Do namoro
Quer curtir cada momento e do decoro
Ela não abre mão. Isso não há debate.

Que tudo transcorra bem normalmente,
Só que ela provoca tanto e é insistente
No roçar que é tarefa hercúlea o empate.

Francisco Libânio,
10/06/14, 7:23 PM
Postar um comentário