segunda-feira, 28 de julho de 2014

1728 - soneto do noivado

Então, desde quando eu te conheci e blablablá, casa comigo?

É um jantar regado a romantismo,
Ele pede a atenção dela um minuto.
Faz pose, monta semblante arguto
E põe seu namoro como silogismo.

O começo, o meio e esse altruísmo
Mútuo, esse amor que, tão resoluto,
Só podia ter como fim o belo fruto
Que é essa noite. E tanto terrorismo

Afetivo, põe a namorada, apreensiva,
Numa torturante e terrível expectativa
Até ele oferecer com boa fé a aliança.

Um novo capítulo no relacionamento,
Tal condição a prenunciar casamento
Soa mais formalidade que confiança.

Francisco Libânio,
04/07/14, 10:15 PM
Postar um comentário