quinta-feira, 24 de outubro de 2013

1241 - Soneto amor-sedento

O que é bom, mas só se for sincero.

Sede de amor, tenho, mas é menos
Do que acham os que dizem poetas
Serem apaixonados ou puro estetas
Do sentimento. Eu tenho uns acenos

De amor uns instantes mais amenos
De romantismo, quando se dá setas:
Quero te amar e usa palavras diretas
Por esses aparentes lindos terrenos,

Mas aí o amor dá na sua cara, e forte!
Some o romance e perde-se o norte,
Aí se desfaz em verso, enche o saco.

Aí a sede do amor, só com a bebida,
Mas eu não bebo e só a faço vencida
Quando um amor expresso destaco.

Francisco Libânio,
24/10/13, 9:31 AM
Postar um comentário