sábado, 19 de outubro de 2013

1230 - Soneto rabugento

Vê se eu to com paciência, porra!

Simpatia, eu bem que queria tê-la,
Sorrir gratuitamente, bancar o tal
Sujeito agradável, uma cara legal,
Meter o sorriso no rosto, dar trela

Para as chaturas e papo daquela
Gente cheia de pose de maioral,
Papos cabulosos, papo canibal,
Ter simpatia e aí desenvolvê-la,

Em ares tão inóspitos à simpatia,
Mas que acha vida em tão vazia
Natureza, árida como não se viu.

Não consigo. É rápida sua perda,
E alguns eu mando fácil à merda
E o resto, que vá à puta que pariu.

Francisco Libânio,
19/10/13, 9:22 AM
Postar um comentário