sábado, 2 de abril de 2011

Procura


Procuro a felicidade andando em minha rua
Como se eu procurasse alguém conhecido
Ou como se ela pudesse ter, algum dia, sido
Perdida em meus andares. Buscá-la acentua

Ainda mais o treinamento de cada sentido,
Minha visão se cansa, a audição se habitua
A ruidinhos enquanto em meu tato se tatua
Desenhos feitos com o passado dolorido

O olfato guarda perfumes e a eles procura
Como eu procuro a felicidade e se apura
Com tantas felicidades por aí que não são,

Mas se a procura serve para que eu depure
Sentidos, afasta do óbvio, Mais que procure
Felicidade na rua, só a terei ao fim da afobação.

Francisco Libânio,
02/04/11, 7:23 PM
Postar um comentário