segunda-feira, 11 de abril de 2011

Prisão Matinal ou Deixai-me usar o véu


Senhor gendarme, em nome do teu Cristo
Ou de qual que seja vossa crença,
Deixai-me! Não ajais bruto ou façais ofensa
Pelo que eu creio ou como me visto

Senhor, deixai-me orar à Meca. Fazei avença
Por agora comigo por este malquisto,
Por vós, traje de mulher, depois não resisto,
Vou contigo presa pela injúria imensa

De ser diferente e não me vestir como vós,
De ter meus costumes e de segui-los,
De professar minha religião e seus sigilos

Senhor gendarme, prendei-me e logo após
Lede o Cristo e o que ele vos falou
E pensai: Amais o outro como ele amou?

Francisco Libânio,
11/04/11, 7:01 PM
Postar um comentário