terça-feira, 24 de julho de 2012

0352 - Soneto impróprio


Se eu realizasse as fantasias
Que trago em minha intimidade
Teria que negacear a verdade,
Mas escreveria por muitos dias

Não que elas sejam sombrias,
Sórdidas ou pervertidas. Maldade
Maior é refrear toda a vontade
Tapando ao desejo todas as vias

O meu não corre assim celerado,
Mas trago-o comigo ao lado
E escondido. Ninguém o vê,

Ninguém o sabe ou desconfia,
Meu desejo num soneto se desfia
E mostra as fantasias a quem lê.

Francisco Libânio,
24/07/12, 8:53 PM
Postar um comentário