sábado, 7 de julho de 2012

0301 - Soneto da bomba gordurosa


E hoje o Poeta, por almoço
Teve no prato pouca fineza
Fígado, cebola e calabresa,
Da felicidade era o esboço.

Esse gastronômico alvoroço
Pôs minha consciência tesa:
Pode comer isso? Certeza?
Olha que ainda te dá um troço!

Coro à consciência, o coração
Pediu cuidado com a alimentação,
Não queria pra si um infarto

Mas o estômago, esse bruto
Digeria lá que nem-te-escuto
Hiperfeliz com o prato farto.

Francisco Libânio,
07/07/12, 1:05 PM
Postar um comentário