segunda-feira, 2 de julho de 2012

0283 - Soneto da desunanimidade nacional


Já dizia Nelson: Toda unanimidade
É burra. Concordo. Sem diferença
Não se engrandece, não se pensa
Como se o faz se há a diversidade

E o Galvão, faltando com a verdade,
Disse que o Corinthians e a imensa
História é Brasil e quem se convença
Disso, me desculpe, é uma nulidade.

Corinthians é Corinthians só e somente,
Terá sua torcida tocando pra frente
E um partido contra de igual tamanho

Fazendo zaga. Ganhe quem for a final,
A derrota terá um choro sem igual
E igual só a festa por este tal ganho.

Francisco Libânio,
02/07/12, 6:30 PM
Postar um comentário