terça-feira, 19 de agosto de 2014

1751 - Soneto rodeado

Minhas ideias, às vezes, são assim.

Até que eu chegue a esse soneto,
Como eu o quero na minha mente,
A imaginação pira continuamente
Sem me deixar um instante quieto.

Se vou escrever sobre certo afeto,
Por exemplo, algo que eu invente
Será assaltado e perderei a frente
E verei ou o soneto por completo

Mudado ou ele até chegará ao fim
Com mil voltas para, então, enfim,
Chegar a um elogio chocho, bobo.

Portanto, se vem logo, de supetão,
Sento, fico de boa. Se vier a razão
Escrevo. Senão mando no afobo.

Francisco Libânio,
26/07/14, 12:51 PM
Postar um comentário