sexta-feira, 15 de agosto de 2014

1748 - Soneto do namoro proibido

Shakespeare ainda atual. E ainda inspirando.

Como Romeu e Julieta, o casal,
Porque a casa não gostou dele
Como a casa dele bem a repele,
Decidiu que não seria esse mal

A impedir o caso feliz esponsal
Ali encetado. Há quem chancele,
Na falta dos pais, o namoro. Ele
Aconteceria. E aconteceu. Igual

A tantos, teve briga, reatamento,
Dissabor e noivado e casamento.
Ela entrou com seu maior amigo,

Ele, no altar, com a prima a favor.
As famílias reprovando este amor
Remoeram a sós o rancor antigo.

Francisco Libânio,
24/07/14, 3:16 PM
Postar um comentário