quinta-feira, 4 de outubro de 2012

490 - Soneto de proeza

Parar de escrever? É ruim, hein!


Venho escrevendo sonetos a mil
Às vezes dois por dia, outras três
Aonde vou? Até onde a escassez
Permitir. Puder, vou até ficar senil,

Gagá e a ideia não me for gentil
Ao me dar inspiração. Pela vez,
Mais de quatrocentos ela já fez
E alguns ela tem em seu barril

Inspiracional. E vou soneteando,
Pois que eles venham em bando
E os mil eu ultrapasse sem notar.

Se não conseguir, azar, paciência...
Não prejudicará muito a existência
Mas meu recado consegui passar.

Francisco Libânio,
04/10/12, 7:50 PM
Postar um comentário