terça-feira, 31 de maio de 2011

Se é pra ser um poema de amor, que seja!


Se é pra ser um poema de amor, que seja!
Mas que fique fora dele o tal “eu te amo”,
Não quero que quem leia isso logo preveja
O óbvio em outro poema que declamo

Não, não, não quero ser o tipo que verseja
Coisas que todos disseram. Este ramo
De amor já deu. Era dar ao leitor de bandeja
Na primeira linha o poema que eu tramo

Então que sem “eu te amo” fale de amor,
Mais: Que fale do amor, mas fale do maior
Amor, do amor que simplesmente deseja

Estar perto e sem dizer palavra alguma amar,
Porque se há amor, palavra não tem lugar
E se for pra falar do meu amor... Que assim seja.

Francisco Libânio,
31/05/11, 9:59 PM
Postar um comentário