terça-feira, 1 de fevereiro de 2011

Motagem


Cada poema que eu escrevo
É um pouco de mim que se perde
E quem me lê no papel me acha
Mas não me encontra como um todo

Porque há muito de mim ainda
A ser escrito.
A ser achado
A me encontrar
A me ser.

Francisco Libânio,
01/02/11, 8:26 PM
Postar um comentário