sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

Um dia na vida


Era pra tentar entender o que ele estava fazendo no meio da rua com uma bermuda na cabeça. O bairro parou pra ver a cena. Seu Dantas, homem pacato de hábitos comuns e pontuais, resolveu despirocar e viver um dia diferente. Bermuda na cabeça, uma meia de cada cor, pé calçado e pé descalço e camiseta com um rasgo transversal. Mas a bermuda na cabeça assustava mais ainda, talvez porque todo o resto, ainda que de forma absurda, estava vestido nos conformes.
Seu Dantas não respondia a ninguém o porquê da bermuda na cabeça. Não queria dar explicações. Ele dava várias todos os dias e hoje, logo hoje, não daria nenhuma satisfação. A rua que parasse, tirasse foto, chamasse a Polícia, o manicômio. Fez o trajeto da sua casa até o Centro vestido dessa forma bizarra e chamou a atenção de todos, inclusive da televisão. Foi ao banco, foi à farmácia e comprou algumas revistas antes de voltar pra casa. Atrás de si, seu Dantas juntou verdadeira leva de curiosos, detratores e, sobretudo, admiradores. Quando ele entrou em sua casa e não saiu mais, o assunto do bairro e adjacências foi o modelo que seu Dantas saiu. Esperavam algo assim para amanhã, uma nova moda, um outro grito de rebeldia.
Não aconteceu. Seu Dantas saiu de casa todo na estica, terno e gravata na medida, cabelo penteadíssimo, cara sisuda como sempre e falando apenas o necessário com a vizinhança. A quem perguntasse sobre o que tinha se passado ontem, ele saía pela tangente, não dava assunto. Todos ficaram sem entender o que levou um sujeito tão careta quanto seu Dantas a ter um dia daqueles. E entenderam menos ainda, os seus admiradores, quando, contagiados pela moda lançada, foram criticados duramente por ficarem se vestindo que nem malucos com uma bermuda na cabeça. Seu Dantas considera seriamente a hipótese de se mudar, pois não quer morar com malucos.

Francisco Libânio,
04/02/11, 9:16 PM
Postar um comentário