terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

A um homem alfa


Vês que o mundo agora não é mais aquele,
Aquele em que sonhavas único provedor,
Aquele em que te crias de tudo o senhor
E vês que mudou e não tens espaço nele

Este mundo que agora te reprova e te repele
É o que permite nuances da mesma cor,
Dá às tuas fêmeas poder para sobrepor
Voz aos teus comandos e te sentir na pele

Que és homem macho, mas aos outros igual,
Que tens voz, mas ela não é a preferencial
E que outros machos podem até abrir mão

De serem machos para serem os homens
Livres com os mesmos direitos que tens
Livres da tua ignorância e da tua repressão.

Francisco Libânio,
08/02/11, 12:34 PM
Postar um comentário