terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

Nossos tiranos


Em minha rua, eu reflito sobre o que se passa,
Lá no outro lado do mundo morre muita gente,
Um ditador escolhido numa eleição de trapaça
É protestado pelo povo que pede por urgente

Sua saída do poder e que uma eleição se faça
Enquanto isso, o déspota, democraticamente,
Abre fogo contra seu próprio povo. Usa um caça,
A polícia, o que tiver à mão e for eficiente...

Quantos ditadores como esses em nossa vida,
Nossos vícios e nossos defeitos empossados
E ficam em nós, mandando sem olhar aos lados

Enquanto queremos nossa vida a nós restituída
Dos que nós mesmos criticamos, mas elegemos
Como um mal necessário e aí os combatemos.

Francisco Libânio,
22/02/11, 2:21 PM
Postar um comentário